SINDICATO DOS OFICIAIS ALFAIATES COSTUREIRAS E TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE CONFECÇÕES DE ROUPAS, CAMA, MESA E BANHO DE LEOPOLDINA E…
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
Filter by Categories
Acordos
Banco de Emprego
Cadastrro
Categoria Acordo e CCT
Categoria Banners
Categoria Noticias
Categoria Notícias Arquivos
Categoria Notícias Jurídico
Categoria Social
Comunicados
Congressos
Contribuição Sindicial
Convenções
Cursos
Delegacias Regionais
Fundadores
Homologações
Instrução Normativa
Outros
Parceiros
Sedes e endereço
Sem categoria
Trabalhos realizados
Últimas Notícias
Vídeos
ACORDOS E CCT
SOCIAL
NOTÍCIAS
CADASTRO ON-LINE
Links Úteis

Parceiros

Emprego

Redes Sociais
SOCIAL

TRABALHOS REALIZADOS

Caso Inega 02 Leopoldina-MG

No dia 07 de Junho o presidente e o assessor Sindical, estavam a caminho da cidade de Ubá para uma reunião com empresas do setor , quando ao passar em frente a Interblue Ind. Com. Ltda. se depararam com os funcionários na porta da empresa às 07:30 horas, retornou e foi conversas com os trabalhadores que diziam que a empresa se encontrava fechada e que estavam tentando ligar para o gerente administrativo, pois estavam sem receber o vale no mês anterior e o salário, o presidente do sindicato esclareceu que quanto ao vale este não existia debito por não constar em CCT, mas que o salário vencia naquele dia, que se a partir do próximo dia não houver pagamento ai sim podia reclamar, abaixo fotos dos trabalhadores aguardando uma posição da empresa que se encontrava fechada.

Funcionários da empresa Interblue Ind. e Comércio Ltda., na cidade de Leopoldina, estão com atividades paralisadas desde o dia 01/06/2004, sem receber o salário do mês de maio de 2004, estão aguardando o retorno ao trabalho, enquanto isto não acontece estão se mobilizando no sindicato profissional na cidade de Leopoldina/MG, abaixo algumas fotos da ultima Assembléia que aconteceu no dia 18/06/2004 na sede do Sindicato logo após o sindicato ter reunido com a empresa no Ministério do Trabalho na cidade de juiz de Fora/MG, para discutir sobre as irregularidades que a empresa vem praticando. com a falta de deposito do FGTS dos funcionários, falta de fornecimento de vale transporte, pratica de Banco de horas Fantasma. sem pagamento de horas extras e pagamento destes dias parados.

Dia 21/06/2004 após reunião com a empresa os trabalhadores se dirigiram até o Sindicato Profissional às 9:00 horas, revoltados com a situação que a empresa os colocou sem salário muitos com Água e Luz cortadas, alguns com dificuldades por não ter o que comer em suas casas, segundo os trabalhadores a empresa falou em reunião que no dia 29/06/2004, completa 30 dias de licença remunerada que a partir dai quem quiser pode pedir a rescisão indireta na justiça. O presidente esclareceu que existe uma Ata da reunião que houve com a empresa no Ministério do trabalho dia 17/06, onde a mesma se compromete a pagar os dias parados, que devem aguardar pois o Sindicato estará enviando oficio ao Ministério do Trabalho em Juiz de Fora e para a empresa pedindo solução para o caso e uma data para que se tome uma decisão. Veja alguns fleche desta abaixo.

Após tantas reuniões sem uma resposta positiva por parte da empresa após ultima reunião na DRt, ocorrida no dia 11/08/2004, onde o diretor da empresa se comprometeu a pagar os salários atrasados aos trabalhadores no dia 17/08/2004, o que não ocorreu. Foi decidido em Assembléia que não restava outro caminho a não ser por via Judicial, a partir dai o Sindicato através do Seu Jurídico Conveniado Dr. Arlem e Dr. Leonardo, entraram com uma petição na justiça do Trabalho solicitando o arresto de bens da empresa para garantir o pagamento rescisório dos trabalhadores o que foi deferido pelo Meritíssimo Sr. Juiz do Trabalho. A partir dai foi impetrado ações por funcionários na justiça do trabalho, começando as audiências a partir do dia 27/09/2004. E no dia 30/09/2004, às 6:30 horas. O Sindicato foi surpreendido com a noticia que o diretor estava nas dependências da empresa, e na portaria da mesma estavam 02 caminhões com placa do Estado do Rio Grande do Sul, para retirar todos os seus pertences, O sindicato chamou e informou a policia para que a mesma se dirigisse ao local e com o seu Jurídico se dirigiu até o local, sendo constatado que havia mesmo dois caminhões, e 03 Oficiais de Justiça com ordem Judicial para que o proprietário retirasse todos os bens da empresa, mesmo os arrestados, só não tinham entrado na empresa porque as chaves se encontravam com a Prefeitura que tinha desapropriado o terreno, assim que o representante da prefeitura chegou foi solicitado as chaves pelo Oficial de justiça que deu acesso aos caminhões. Diante disto sabendo que era um cumprimento Judicial, o sindicato informou aos trabalhadores o que estava acontecendo para que os mesmo se dirigissem ao local, se dirigindo com o Jurídico para a cidade de Cataguases com uma petição solicitando a Justiça do Trabalho uma intervenção na retirada dos bens pois já havia despacho da Juíza do trabalho que o Diretor como Fiel depositário poderia retirar os bens arrestados, mas deveria informar aquele Juízo o local que deveria ser nesta jurisdição, despachamos direto com a Juíza do Trabalho que deferiu o nosso pedido, nomeando a prefeitura de Leopoldina como fiel depositário e enviando 02 Oficiais da Justiça do Trabalho para cumprir o mandato, quando chegamos ao local (fotos abaixo) nos deparamos com um verdadeiro exercito de policiais, que segundo os trabalhadores se não chegássemos iria acontecer o pior pois estavam para liberar a força a portaria que se encontrava com uma barriga ta feita pelos trabalhadores para garantir que seus bens não fossem retirados, após a entrada dos Oficiais da Justiça do Trabalho os ânimos foram acalmados principalmente quando o comando da Policia Militar informou para eles que segundo ordem da Justiça do Trabalho nada seria retirado da empresa e que o caminhão (foto) também deveria ser descarregado, obtendo aplauso dos trabalhadores que prontamente retiraram as barriga tas do portão. Vencemos esta mas quantas mais vamos ter que passar para garantir aos trabalhadores seus direitos, só pra se ter uma ideia estes não recebem salários a mais de 5 meses, é muito difícil se fazer justiça neste Pais.

Fotos:

VEJA MAIS

Caso Aracatu em Ubá-MG

No mês de Março de 2003 mais uma empresa deixa de empregar 180 trabalhadores na cidade de Ubá/MG, Os proprietários da empresa Companhia Industrial de Roupas Aracatu, (Wembley) nos procurou na sede do sindicato na…

Caso Inega 01 Leopoldina-MG

DEMISSÃO EM MASSA NA EMPRESA INEGA NA CIDADE DE LEOPOLDINA MG: No último dia 12 do mês de Julho deste foram demitidos 190 trabalhadores da empresa Interblue Ind. Com. Ltda., totalizando 90% do seu quadro…